Navegação – Mapa do site

Normas para publicação

Espaço e Economia: Revista Brasileira de Geografia Econômica publica textos em português, inglês, espanhol e francês. Na seção Artigos, acolheremos trabalhos cujas pesquisas estejam bem avançadas ou já consolidadas. Por sua vez, Trilhas de pesquisa dedicar-se-á notadamente às investigações de estudantes de mestrado e doutorado. A seção Resenhas terá como propósito estimular o diálogo com livros e coletâneas surgidas nos últimos três anos, visando fortalecer a discussão e a problematização político-intelectual ao redor de questões relativas ao par espaço- economia e a temas afins.

Avaliação

Cada artigo será encaminhado para dois avaliadores, sejam eles membros do Conselho Científico ou participantes externos. Se o artigo receber duas apreciações positivas, será considerado apto para publicação; duas apreciações negativas, recusado. Em caso de empate, o texto será endereçado a um terceiro e definitivo parecerista. As resenhas serão avaliadas por um único parecerista. Traduções serão bem-vindas.

Artigo

Sugere-se que os artigos tenham, incluindo notas e bibliografia, até 50.000 caracteres (com espaços). Ilustrações, quadros e tabelas podem estar em formato .ai, .png ou .jpeg em alta resolução (300 dpi). Devem ser anunciadas no texto e numeradas na ordem em que aparecem (Ex. : imagem 1, mapa tal ; imagem 2, fotografia tal ; imagem 3: gráfico tal).

Os trabalhos utilizarão a fonte Times New Roman 12 e espaço 1,5. Citações com até três linhas devem constar do texto principal. As que possuírem mais de três linhas serão destacadas, com margens recuadas e fonte tamanho 11. No texto, as referências bibliográficas serão indicadas entre parênteses tal como se segue : (CLAVAL, 2013, p. 15). Caso haja mais de uma edição da obra, favor identificá-la : (CLAVAL, 2013, P. 15 [1978]).

As notas estarão situadas no rodapé da página.

Bibliografia

A bibliografia estará no final do texto

Seguem abaixo exemplos de como apresentar a bibliografia :

Artigo de periódico : RHEIN, Catherine. La Géographie, discipline scolaire et/ou science sociale ? (1860-1920). Revue française de Sociologie, XXIII, pp. 223-251, 1982.

Livro : CHAUÍ, Marilena. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Perseu Abramo, 103p, 2000.

Capítulo de livro : MENDIBIL, Didier. O sistema iconográfico da geografia clássica francesa e Pierre Monbeig. In : ANGOTTI-SALGUEIRO, Heliana (org.). Pierre Monbeig e a Geografia Humana brasileira : a dinâmica da transformação. Bauru : Edusc, pp. 233-247, 2006.

Teses e dissertações : RIBEIRO, Guilherme. Espaço, Tempo e Epistemologia no Século XX: a Geografia na obra de Fernand Braudel. Niterói, Tese de Doutorado em Geografia. Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal Fluminense, 382p., 2008.

Artigos de Jornal : ANDERSON, John Lee. A dama de ferro, o ditador e o poeta. O Globo, Rio de Janeiro, Prosa & Verso, p.4, 13.4.2013.

Fontes eletrônicas : VIDAL DE LA BLACHE, Paul. Routes et chemins de l’ancienne France. Strates [En ligne], n. 9. 1996-97 [1902]- Crises et mutations des territoires, <http://strates.revues.org/document620.html> . Acessado em 22 de janeiro de 2004.

Congressos : OLIVEIRA, Floriano J.G. de. Redes técnicas e urbanização: a influência da Light and Power no desenvolvimento urbano e regional do Rio de Janeiro. In: Globalización, innovación y construcción de redes técnicas urbanas en América y Europa, 1890-1930, Barcelona, p.1-16, 2012.

Resumo, título e palavras-chave em três línguas

Três resumos (2000 a 3000 caracteres) são necessários: um no idioma original, um abstract e outro em espanhol ou francês. Os títulos também seguem esta norma. O autor deve identificar seu nome, titulação, função, instituição e email. Segue abaixo um exemplo de folha de rosto :

Espaço e território: as bifurcações da ciência regional

Paul Claval

Universidade de Paris-Sorbonne (Paris-IV). Instituto de Geografia. Professor Emérito. E-mail:

Na reflexão concernente ao espaço e ao território, pode-se distinguir três fases: (1) do início do século XIX ao entre-guerras, este domínio é abordado por apenas três disciplinas: teoria econômica espacial, teoria das trocas internacionais e geografia econômica (primeira fase). Elas não se relacionam; (2) de 1930 a 1970, o descobrimento do desenvolvimento desigual conduz todas as Ciências Sociais a um interesse pela organização espacial. A fundação da ciência regional, a exploração de mecanismos macroeconômicos e uma nova curiosidade pelas economias externas e de escala aproximam economia, geografia econômica (segunda fase) e planejamento; (3) desde 1970, a falência das políticas desenvolvidas nos anos 1950 e 1960 levou a uma profunda mudança de perspectiva: atualmente, as pessoas enfatizam o desenvolvimento pela base, o papel dos clusters e a economia do conhecimento.

espaço, território, geografia económica, teoria espacial, relações internacionais

Space and territory: the bifucartion of regional science

Three phases may be distinguished in the reflection concerning space and territory. 1- From the beginning of the nineteenth century to the interwar period, this field was explored by three disciplines, spatial economic theory, international trade theory and economic geography (first style). There were no relations between them. 2- From 1930 to 1970, the discovery of unequal development led all social sciences to develop an interest in spatial organization. The foundation of regional science, the exploration of macroeconomic mechanisms and a new curiosity for scale and external economies made closer economics, economic geography (second style) and planning. 3- Since 1970, the failure of the policies developed in the 50s and 60s was conducive to a deep change of perspective: people now stress the development from below, the role of clusters and the economy of knowledge.

space, territory, economic geography, spatial theory, international relations theory

Espace et territoire : les bifurcations de la science regionale

Trois phases se distinguent dans la réflexion sur l’espace et le territoire 1- Du début du XIXe siècle à l’entre-deux-guerres, le domaine n’est abordé que par trois disciplines, la théorie économique spatiale, la théorie de l’échange internationale et la géographie économique première manière. Elles n’ont pas de rapports entre elles. 2- De 1930 à 1970, le développement inégal conduit la plupart des sciences sociales à s’intéresser aux problèmes d’organisation de l’espace. La fondation de la science régionale, la prise en compte des mécanismes macro-économiques, la curiosité nouvelle pour les économies d’échelle et externes rapprochent l’économie, la géographie économique (deuxième manière) et l’aménagement. 3- Depuis 1970, la faillite des recettes proposées dans les années 1950 ou 1960 conduit à un changement profond de perspective : l’accent est mis sur le développement par le bas, sur le rôle des localisations en grappe et sur l’économie de la connaissance.

espace, territoire, géographie économique, théorie spatiale, relations internationales

  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • Logo Latindex
  • Les cahiers de Revues.org