Navegação – Mapa do site

O Papa é pop. O Bono é pop. Piketty também! Determinações do sucesso editorial de O capital no século XXI

Le Pape est pop. Le Bono est pop. Piketty aussi ! Les déterminants autour du bonheur éditorial de Le capital au XXIème siècle
Pope is pop. Bono is pop. Piketty too!
Determinations of the editorial success of 
Capital in the Twenty-First Century
El Papa es pop. El Bono es pop. Piketty también! Determinaciones del éxito editorial de El capital en el siglo XXI
Tadeu Alencar Arrais

Resumos

As razões para o sucesso do livro O capital no século XXI, do economista francês Thomas Piketty, não se localizam apenas na estrutura narrativa bastante apropriada para o mercado editorial contemporâneo, mas também nas circunstâncias históricas que tornaram a temática da desigualdade central na contemporaneidade. Fomos acostumados aos estudos relatoriais sobre a desigualdade que abordam, a partir de estudos econométricos, as diferenças de renda nos países abaixo do Equador. O estudo de Piketty centra as energias na evolução histórica das desigualdades, fundamentalmente, na Europa e nos Estados Unidos. Seus resultados apontam para a tendência de concentração de renda superior às taxas de crescimento da economia. O autor sugere a necessidade de regulação do capital por meio da criação do imposto global sobre fortunas, tema que tem gerado debates políticos acalorados.

Topo da página

Texto integral

1 

Mamãe

Não sou mainstream nem sou cult

Meu som assim vapt vupt

Caiu na boca do povo...

Mamãe

O fato é que eu tô na moda

Mamãe eu fiz um disco foda

Faz um download e ouve aí...

Zeca Baleiro, Mamãe no Face.

Introdução

2Nem o mais otimista dos autores poderia imaginar que um livro de economia com 669 páginas pudesse figurar na lista dos mais vendidos na França e nos Estados Unidos. No Brasil, no ano de 2015, o livro de Thomas Piketty alçou a 11ª posição nas vendas (publishenews.com.br). O primeiro lugar foi ocupado pelo já decrépito, e mais ofertado nos sebos brasileiros, Jardim secreto: livro de colorir e caça ao tesouro antiestresse, de Johanna Basford. Nada a perder, de Edir Macedo, ocupou a terceira posição e Morri para viver, de Andressa Urach e da mesma confraria do “Bispo Macedo”, a quinta posição. À frente de O capital no século XXI, livros de autoajuda que ensinam o caminho da redenção, exceção para o emocionante Diário de Anne Frank, que ocupou a 6ª posição, e para livros ocasionais de humor e culinária cujos autores não resistiram por muito tempo nas prateleiras das livrarias. Nada mau para um livro de economia. Piketty, agora, é pop. Viaja pelo mundo, autografa livros e é elogiado com frequência pela mídia internacional. Apertará, em breve, as mãos de Bono. Visitará o Vaticano a convite do Papa Francisco e, quem sabe, receberá um beijo fraterno de Angelina Jolie em uma missão humanitária qualquer. Mas os afagos que brotam de todos os setores da sociedade, por mais inveja que possam causar, não invalidam os argumentos econômicos e a mensagem política contida em O capital no século XXI.

O que é ser pop?

  • 1 Google, 2016

3O adjetivo pop, abreviação de popular, sem a pretensão de uma digressão conceitual, guarda duas qualidades vinculadas ao mundo da mercadoria. A primeira responde pela mudança da funcionalidade original do objeto e a segunda responde por sua atemporalidade. Os objetos e os indivíduos adjetivados de pop transcendem os fins e os tempos para os quais e nos quais foram criados. A imagem de Marilyn Monroe é tão identificada com a cultura pop quanto a imagem de Che Guevara. A primeira imagem obteve na busca do Google, em 0,53 segundos, 28.200.000 resultados e a segunda 20.500.000 resultados. Jesus Cristo obteve 29.800.000 registros em 0,55 segundos1. Certamente não existem tantos socialistas quanto cristãos no planeta. Essa métrica, indicativo contemporâneo de popularidade, revela como alguns personagens históricos e objetos, muitas vezes fundidos em um só, foram incorporados ao mundo da mercadoria. Mickey Mouse, personagem da Walt Disney nascido no final da década de 1920, é tão reconhecido como o grupo musical The Beatles ou mesmo a trilogia Star Wars. Yoda, criação de George Lucas, é mais que um boneco com extremas habilidades para luta. Ganhou vida própria. Facilmente reproduzidos em camisetas, chaveiros, canetas e toda uma séries de utensílios domésticos e objetos de decoração, os símbolos da cultura pop ultrapassam as fronteiras políticas e linguísticas. “Esqueça, Jake, isto aqui é Chinatown” ou “Por que está tão sério?” são frases cuja mensagem é facilmente identificada no universo pop.

4Existe, por assim dizer, uma positividade no adjetivo pop, daí a transformação de pessoas e objetos em ícones atemporais cuja imagem pode ser encontrada nas prateleiras de mercados e nos magazines. Trata-se de um desdobramento daquilo que alguns autores classificaram, ainda no primeiro quartel do século XX, de indústria cultural. Os impactos na cultura e na arte da indústria cultural foram denunciados por Horkheimer e Adorno (2002). Surgida a partir de determinadas condições técnicas, antecedidas pelo propósito da massificação e da estandardização, a cultura vira mercadoria e é, portanto, embalada e vendida nas prateleiras. A necessidade universal da circulação é resolvida pela comunicação. Thompson (1995) associa a emergência dos fenômenos de massa com o desenvolvimento da comunicação de massa. Alçar a condição global, de forma mais ou menos instantânea, depende de uma sinergia entre os interesses corporativos dos meios de comunicação, promotores do consumo, de tal modo que, mesmo antes da produção de um determinado produto, sua necessidade é lançada no mercado. Há uma antecipação da necessidade do consumo em relação à demanda produtiva. Se, na revolução industrial, os objetos técnicos nasciam a partir de demandas conjunturais, com ampla durabilidade, bastando observar o uso do ferro fundido em alguns utensílios domésticos, na contemporaneidade é necessário produzir, antes de tudo, a necessidade de um objeto para depois produzi-lo fisicamente. A perenidade da mercadoria é uma marca antiga, resquício da modernidade maquinista.

5Uma pessoa pop desfruta de status que lhe permite transitar em diferenciados ambientes sociais, porque dispõe de uma atitude simpática que, divulgada instantaneamente, rompe as barreiras sociais, de gênero e de religião. Cantores, atores, desportistas, políticos, poetas, escritores e até mesmo acadêmicos alçaram a condição de pop, tal é o exemplo de Thomas Piketty.

O mercado editorial pop

  • 2 Não há muitas semelhanças, nem mesmo em termos volumétricos, além do substantivo masculino, entre O (...)
  • 3 Não há duvidas de que Thomas Piketty tornou-se uma espécie de grife editorial. Na capa do livro Des (...)

6Em 2015 Thomas Piketty já era conhecido do público, em função do sucesso editorial do livro O capital do século XXI, publicado anteriormente em francês e inglês. O livro, na edição inglesa e portuguesa, segue o receituário editorial do sucesso. Não podemos nos enganar. Um livro é, sobretudo, uma mercadoria cuja decisão de publicar segue a lógica da despesa gerada versus receita auferida. Livros de estrito teor acadêmico raramente alçam a condição de best-seller. O mesmo não se aplica aos livros de autoajuda. Como qualquer mercadoria, o investimento na circulação é imprescindível. O amazon.com é a prateleira universal na hierarquia editorial. Como qualquer mercadoria, a embalagem promove o produto. Na contracapa do livro de Thomas Piketty extratos de opiniões de economistas como Paul Krugman e figuras ilustres como Bill Gates, além de frações de editoriais do The New York Times e do The Guardian. Algumas, certamente, exageradas. “Maior do que Marx”, asseverou o The Economist2 . Em cada país em que o livro é lançado somam-se, como estratégia de marketing, opiniões de celebridades nacionais, chanceladas pelos principais veículos de comunicação 3.

  • 4 Calvino, 1993, p. 9
  • 5 Um exemplo pessoal ilustra esse raciocínio. O capital no século XXI foi lançado no Brasil em 2014. (...)

7O capital do século XXI é uma febre literária. Transformou-se em um clássico com a mesma velocidade com que Clark Kent muda de roupa. Ocupa os lugares centrais nas livrarias dos shopping centers. A visibilidade da mercadoria induz, não podemos negar, o consumo. Leitores são consumidores. Consomem, também, novidades. Um bom título. Um prefácio elogioso. Uma resenha encomendada no semanário da moda. Por último, uma proposta para roteiro de um filme de Hollywood. Se há uma guerra, então é necessário reeditar livros sobre a guerra. Se algum importante autor morre, então é oportuno celebrar sua morte reeditando os livros de maior sucesso. Isso sem contar as inúmeras adaptações para os mercados cada vez mais, aparentemente, segmentados. Ser clássico, agora, não depende apenas do talento natural e da disciplina de trabalho do escritor, mas do investimento financeiro do mercado editorial. Ítalo Calvino, em Por que ler os clássicos, descreve os clássicos como aqueles livros dos quais, geralmente, ouvimos “estou relendo” e não “estou lendo”. Ainda: “O prefixo reiterativo antes do verbo ler pode ser uma pequena hipocrisia por parte dos que se envergonham de admitir não ter lido um livro famoso”4. Sem leitura, mesmo que contabilizado na venda, um livro não passa de um souvenir. Capa dura e lombada extensa são necessárias para o perfeito alinhamento nas estantes, especialmente quando o livro torna-se um objeto de decoração. Recorde de vendas não é sinônimo de recorde de leitura. O livro mais vendido pode não ser aquele mais lido 5.

8Piketty é o Harry Potter das ciências humanas. O pequeno bruxo, afinal Piketty tem apenas 45 anos, conseguiu, a julgar pelos comentários da mídia, suplantar o grande bruxo do século XIX, parecido com o simpático Hadrid. No lugar da foice vermelha, gráficos. No lugar da crença na revolução, o utopismo reformista. Aí reside a receita do sucesso nos círculos políticos de direita, esquerda e centro. Todos conhecem Piketty.

A luta pela igualdade é pop

9O que aproxima o Papa Francisco, o Bono, vocalista da Banda U2, e o economista Thomas Piketty? Os dois primeiros personagens, mais antigos na agenda midiática global, são quase uma unanimidade. Bono talvez seja uma das poucas figuras públicas a escapar do humor ácido de os Simpsons. Matt Groening, se comparada com outras celebridades, sempre reservou simpatia ao vocalista. O Papa Francisco, rapidamente, em função da agenda progressista e dos gestos cotidianos prosaicos, alcançou popularidade jamais vista nos corredores do Vaticano. Os dois se ocuparam a denunciar – o primeiro com preces e o segundo com música – a desigualdade do mundo.

10A agenda da luta pela igualdade é antiga, mas nem sempre gozou do status contemporâneo. A Declaração dos Direitos Humanos (1789) antecedeu, em termos de agenda, a Declaração Universal dos Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas(1948).“Os homens nascem e são livres e iguais em direitos” é o primeiro artigo da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. A desigualdade resultou da forma de apropriação diferencial da riqueza socialmente criada por distintos grupos humanos e em escala cada vez mais global. A progressiva produção de riquezas no século XIX fez par com o avanço da sua visibilidade no que diz respeito à pobreza no chão da fábrica, nas ruas das cidades e nos campos. O processo de acumulação primitiva, “pecado original” da economia descrito por Marx (2015), associado à crescente divisão do trabalho e expropriação dos camponeses, explicou a dinâmica da evolução da desigualdade no século XIX. A experiência da desigualdade, também denunciada pela pena de Victor Hugo e Emile Zola, não pode sequer ser eclipsada pelo brilho das Exposições Universais.

  • 6 São oito os “Objetivos do Milênio”, estabelecidos no ano de 2000, para um intervalo de quinze anos: (...)

11No século XX, no âmbito do otimismo do pós-guerra, instituições internacionais como a Organização das Nações Unidas, fundada em 1945, se ocuparam em estudar a pobreza e, ao mesmo tempo, mensurar a desigualdade entre as nações. O Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e seus chamados “Objetivos do Desenvolvimento do Milênio” são conhecidos no cenário político internacional 6. No início da década de 1990, o conceito de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) foi utilizado para divulgar relatórios anuais sobre os padrões de desenvolvimento em diversas escalas. A desigualdade, portanto, começava a ser mensurada na escala global e a partir de instrumentos metodológicos que permitem comparações. O tom das publicações oficiais, no entanto, é bastante relatorial, diferente da narrativa adotada por Thomas Piketty. Está aí um dos segredos de seu mais popular livro.

12O compromisso em comunicar a desigualdade foi o primeiro motivo pelo qual Thomas Piketty tornou-se pop. Mas o que levou O capital no século XXI ao panteão editorial?

  • 7 Piketty disponibilizou os dados do livro em formato digital para acesso público e gratuito, em arqu (...)

13O capital no século XXI é dividido em quatro partes articuladas que promovem uma interpretação histórica da desigualdade, tendo como foco de análise, especialmente, a França, os Estados Unidos, o Reino Unido e a Alemanha. Daí o primeiro estranhamento. Um estudo sobre a desigualdade com foco, sobretudo, nos países desenvolvidos, termo não utilizado pelo autor, que parece preferir a terminologia “países ricos”. As fontes utilizadas, em séries históricas, permitiram compreender e comparar a dinâmica histórica da desigualdade a partir da formação e composição da renda 7. Os argumentos são alimentados por dados sobre a desigualdade e distribuição de renda e dados sobre a distribuição da riqueza e relação entre riqueza e pobreza. A receita para o sucesso nasceu da junção de estudos históricos e análise estatística de registros tributários, tarefa árdua para economistas, demasiadamente avessos à história, tanto quanto para historiadores, demasiadamente avessos aos números, como o autor ironizou na introdução do livro. Ao contrário de uma economia abstrata, pautada em modelos e equações, o leitor é surpreendido com um número reduzido de gráficos e, na verdade, nenhuma equação que possa dificultar a compreensão dos argumentos. Interessa para o autor demonstrar a participação da renda das camadas superiores da riqueza, o que oferece a medida da desigualdade. A pobreza não é o tema do trabalho, mas a evolução da desigualdade no âmbito das nações, traduzida na participação do décimo superior de cada país na globalidade das rendas. Trata-se de um livro sobre a riqueza, traduzida no termo capital, que, em Piketty, assume uma dimensão bastante instrumental, como se verifica a seguir:

  • 8 Piketty, 2014, p. 51-52

No contexto desse livro, o capital é definido como o conjunto de ativos não humanos que podem ser adquiridos, vendidos e comprados em algum mercado. Assim o capital compreende, especificamente, o conjunto formado pelo capital imobiliário (imóveis, casas), utilizado para moradia, e pelo capital financeiro e profissional (edifícios e infraestrutura, equipamentos, máquinas, patentes etc.), usado pelas empresas e pela administração pública 8.

  • 9 Piketty 2014, p. 46

14A definição de capital, portanto, guarda correspondência com a definição de riqueza. O acúmulo de capital, o monopólio propriamente dito, seguindo à risca essa definição, não ocorre pela exploração do trabalho. Piketty 9 deixa claro que não interessa a histórica peleja entre patrões e operários: “Que fique claro: minha proposta aqui não é defender os trabalhadores em qualquer desavença com seus patrões, mas ajudar todos a ter uma visão clara da realidade”. O romantismo quase remete à cena final do filme Metropolis, de Fritz Lang, lançado em 1927. Piketty lembra o jovem Freder, filho do inescrupuloso Jon Frederson, a tentar conciliar, com sua ternura, os interesses conflitantes entre o cume e o topo da pirâmide, entre trabalhadores, fartos do regime de exploração, e os ricos industriais, que dominam Metropolis.

  • 10 Em Marx (1999), o capital é considerado um processo, uma relação social historicamente localizada. (...)

15O capital, em Piketty, passa a ser um conceito objetivo e possível de instrumentalização, o que o diferencia das perspectivas de análise associadas ao marxismo. Instrumental na prática, abstrato na ação, se diferencia de Marx, para quem o capital é definido como "relação social", revelando-se no mundo concreto a partir da exploração do trabalho, gerador da riqueza e, portanto, do próprio capital 10. A impressão que fica é que o conceito de capital foi definido a partir das fontes disponíveis, ou seja, o autor optou pelo enquadramento do conceito, distanciando-se, portando, da reflexão sobre a natureza do capital. Talvez por isso a força de trabalho não seja considerada capital e, portanto, os conflitos entre capital e trabalho, entre proprietários dos meios de produção e os que dispõem, apenas, da força de trabalho, não tenham sido objeto de atenção, seja no século XIX, seja no século XX.

Figura 1 - A desigualdade de renda nos Estados Unidos, 1910-2010

Figura 1 - A desigualdade de renda nos Estados Unidos, 1910-2010

A participação do décimo superior na renda nacional americana passou de 45-50% nos anos 1910-1920 para menos de 35% nos anos 1950 (trata-se da queda documentada por Kuznets); depois voltou a subir menos de 35% nos anos 1970 para 45-50% nos anos 200-2010.

  • 11 Piketty, 2014, p. 31

Fonte: Piketty (2014, p. 31)11

16A primeira regularidade, expressa na Figura 1, resume o espectro temporal e sua ambição explicativa. A curva indica a participação do décimo superior da população na distribuição da renda no intervalo de um século nos Estados Unidos. A primeira parte da curva coincide com a popular “curva de Kuznetz”, com maior compressão da desigualdade entre 1913 e 1948. A explicação da curva da desigualdade, popularizada como curva em "U" invertida, no entanto, não repousa, como argumenta Piketty, em causas endógenas, mas nas influências externas, que podem ser exemplificadas pelas guerras mundiais ou mesmo pela diferencial presença do Estado na regulação das economias nacionais.

Figura 2 - A relação capital-renda na Europa, 1870-2010

Figura 2 - A relação capital-renda na Europa, 1870-2010

O total da riqueza privada se situa entre seis e sete anos da renda nacional na Europa em 1910, entre dois e três anos em 1950 e entre quatro e seis anos em 2010.

  • 12 Piketty, 2014, p. 32

Fonte: Piketty (2014, p. 32)12

17A segunda regularidade empírica, expressa na Figura 2, compara a Alemanha, a França e o Reino Unido, em intervalo semelhante àquele dos Estados Unidos, indicando a evolução da riqueza privada. A riqueza concentrada no período conhecido como Belle Époque apresenta queda entre 1914 e 1945, com alta progressiva a partir de 1950 das fortunas privadas, até o início do século XXI. Os dois gráficos indicam formatos em curva U, indicativos da dinâmica de queda e de aumento da desigualdade.

Figura 3 - Características gerais dos principais eventos/períodos citados no livro de O capital no século XXI

Evento

Período

Características Gerais

Belle Époque

1870-1914

Relevância da renda patrimonial na composição da desigualdade, o que resultou em alto nível de riqueza privada, especialmente na França, Reino Unido e Alemanha.

I Guerra Mundial

1914-1918

Choque na renda patrimonial em função da inflação e das tributações (imposto de renda e imposto sobre herança), o que reverberou na queda na desigualdade da renda.

Grande Depressão

1929

Inflação e deterioração patrimonial, implicando, igualmente, a queda de desigualdade de renda.

II Guerra Mundial

1939-1945

Inflação, deterioração patrimonial e queda na desigualdade da renda.

Trinta Gloriosos

1945-1975

Crescimento do emprego e emergência do Estado-Social com consequente recuo na desigualdade dos salários em função, especialmente, do déficit de crescimento no período anterior, no que toca ao continente europeu. Os Estados Unidos, nesse período, assistem à fase mais igualitária: “[...] o décimo superior da hierarquia das rendas detinha cerca de 20-35% da renda nacional americana, mais ou menos o nível observado na França de hoje” (Piketty, 2014, p. 286).

Neoliberalismo

(termo não utilizado pelo autor)

1975-2000

Emergência da sociedade de executivos e aumento das desigualdades dos salários, retomando níveis do início do século XIX.

Capitalismo patrimonial

2000 ...

Crise financeira em 2008 demandou crescente intervenção pública nos bancos. Aumento da riqueza privada e correlato aumento da desigualdade na Europa e nos Estados Unidos.

* Não há correspondência precisa entre os impactos dos eventos, assim como a sua denominação na Europa e nos Estados Unidos.

Fonte: Construída pelo autor a partir de Piketty (2014)

18A noção de evento é central na explicação do aumento e/ou retenção dos níveis de desigualdade durante o século XX, explicando a dinâmica das forças de convergência (diminuição das desigualdades) e divergência (aumento das desigualdades). Esses eventos guardam entre si duas características. A primeira é a globalidade das transformações em cada período e a segunda é a presença do Estado no conjunto das respostas para cada evento. Na análise das forças de divergência e convergência são consideradas as taxas de rendimento (r) do capital e a taxa de crescimento da economia (g). Quando a primeira é maior que a segunda, como registrado, grosso modo, no século XIX e no século XXI, a riqueza herdada aumenta, como argumenta Piketty (2014, p. 33), mais rápido que a renda e a produção.

Sob essas condições, é quase inevitável que a fortuna herdada supere a riqueza constituída durante a vida de trabalho e que a concentração de capital atinja níveis muito altos, potencialmente incompatíveis com os valores meritocráticos e os princípios da justiça social que estão na base de nossas sociedades democráticas modernas.

19Mas o discurso econômico não faria tanto sucesso caso centrasse a explicação apenas em comparações abstratas entre nações ou mesmo em modelos baseados no PIB ou no IDH. No campo individual, o que explica a riqueza é a renda proveniente do trabalho, dos rendimentos do capital e da posse patrimonial. Entre a riqueza proveniente do trabalho e a riqueza resultante do patrimônio herdado, assistimos a uma dinâmica econômica que oscila da centralidade do capitalismo patrimonial para o centralismo do capitalismo gerencial. No entanto, a formação de patrimônio não está dissociada da evolução dos rendimentos dos salários executivos gerenciais, quase autorregulados. A explicação dessa dinâmica, no entanto, não se localiza na vontade ou mesmo no talento individual e nem mesmo no fim da renda patrimonial. Há determinantes históricos, alguns dos quais ilustrados pela pena de Honoré de Balzac na primeira parte do século XIX. Antes de recordar o romancista preferido do economista, é interessante observar sua definição de renda:

  • 13 Piketty, 2014, p. 24

A renda consiste em dois componentes: os rendimentos derivados do trabalho (salários, emolumentos, gratificações, bônus, renda do trabalho não assalariado, além de outras rendas remuneradas do trabalho, de acordo com o estatuto jurídico aplicado em cada caso) e a renda do capital (aluguéis, dividendos, juros, lucros, ganhos de capital, royalties e outros rendimentos obtidos pelo simples fato de ser dono do capital sob a forma de terras, imóveis, ativos financeiros, equipamentos industriais etc., qualquer que seja a denominação jurídica indicada13.

  • 14 A utilização de Honoré de Balzac como referência para o século XIX é comum em muitos autores contem (...)

20A curva da desigualdade que se desenha entre o final do século XIX e o início do século XXI responde por uma dinâmica entre a valorização do patrimonial, rentista, e uma desigualdade que repousa nas diferenças salariais. A desigualdade de renda, em termos abstratos, pode ser decomposta na renda do trabalho e na diferença de rendas da propriedade do capital. Para ilustrar essas diferenças, Piketty recorre a dois exemplos. O primeiro, descrito com brilhantismo literário, refere-se ao diálogo entre o jovem Eugène de Rastignac e Vautrin, personagens centrais na trama O Pai Goriot, de Honoré de Balzac. A interrogação que permeia o diálogo, sem a pretensão de resumir a narrativa, é: como o jovem provinciano Eugène de Rastignac poderia enriquecer na Paris burguesa? As possibilidades colocadas são, fundamentalmente, duas: pelo trabalho, alçando posições na carreira jurídica, ou pelo patrimônio, a partir do casamento. O diálogo que se segue é avassalador, demonstrado os limites da ascensão pelo mérito, pelos estudos, pela expertise profissional. A solução, sugerida por Vautrin, é obter renda por intermédio de um conveniente casamento arranjado, e a vítima seria a tímida moradora da pensão Vauquer 14.

  • 15 Piketty 2014, p. 409

21No outro extremo, já no século XXI, Piketty refere-se à representação do trabalho a partir de seriados de TV americanos como Hause e Bones, protagonizados por homens e mulheres diplomados, com experiência técnica que garantem o sucesso e a ascensão social. No caso de Hause, sua expertise parece suplantar a antipatia e mesmo os padrões de conduta ética. Na França, o Dilema de Rastignac é representado graficamente pela variação da participação dos recursos herdados (herança) no total da riqueza que representou, em 1880, 19%, caindo para 11% em 1910 e voltando a subir, a partir de 1950, para 14%, chegando em 1970 a 22% e em 2010 a 23%. Muito embora o trabalho, tradução formal da meritocracia, pareça apagar os vestígios da herança no limiar do capitalismo patrimonial, Piketty 15 demonstra que o papel da herança ainda é determinante na composição da riqueza:

Entretanto, isso não significa necessariamente que a sociedade tenha se tornado mais meritocrática. Em particular, isso não implica que a participação da renda nacional para o trabalho tenha aumentado de verdade (vimos que quase não cresceu) e, obviamente, isso não significa que as pessoas tenham acesso às mesmas oportunidades para atingir os diferentes níveis de qualificação: em grande medida, as desigualdades de formação apenas subiram de nível e nada indica que a mobilidade intergeracional tenha realmente progredido por meio da educação.

22O retrato contemporâneo da desigualdade na repartição das riquezas é avassalador. Entre 1987 e 2013, as maiores riquezas mundiais cresceram 6,7%, ao passo que a riqueza global só cresceu 1,4% (Piketty, 2014, p. 424). Esse dado é agravado pelas projeções de que a taxa de remuneração (r) irá superar a taxa de crescimento anual (g), tendência registrada a partir do final da década de 1980.

23A concentração do capital, que antes era centrado no poder fundiário, agora traduz a simbiose entre o capital imobiliário, o capital industrial e o capital financeiro. A volatilidade da lista dos maiores milionários na Forbes, frequentemente atualizada, prova isso. A concentração da riqueza continua alta, indicando uma classe média patrimonial que detém, segundo o autor, entre um quarto e um terço da riqueza. “Os 10% mais ricos não possuem mais do que dois terços, em vez dos nove décimos de antigamente” (Piketty, 2014, p. 368).

24A parte final do livro, intitulada “Regular o capital do século XXI”, expressa seu conteúdo propositivo, desdobrado em duas linhas. A primeira é a valorização do Estado Social e a segunda, o que desagradou os proprietários de patrimônios e fortunas, trata do imposto sobre fortunas e patrimônios. Acerca do Estado Social, segundo Piketty (2014, p. 461):

A questão do retorno do Estado não se coloca da mesma maneira nos anos 2010 do que nos anos 1930, por uma razão simples: o peso do Estado é muito maior hoje do que era àquela época, e em grande medida ele agora é maior do que nunca. É por isso que a crise atual se traduz às vezes em acusar os mercados e questionar o peso e o papel do poder público. Esse questionamento não cessou desde os anos 1970-1980 e não cessará jamais: a partir do momento em que o poder público passou a desempenhar, na vida econômica e social, um papel central, adquirido nas décadas do pós-guerra, é normal e legítimo que esse papel esteja em debate permanente e seja posto em questão.

25A relação entre o Estado Fiscal e o Estado Social é explorada de modo a permitir que o leitor compreenda que a redução das desigualdades dependeu tanto do apoderamento fiscal quanto da função política distributiva. O caso das políticas previdenciárias para combater a pobreza na velhice é um bom exemplo. O movimento de redução da desigualdade não ocorreu em função da crescente produtividade ou de qualquer mecanismo da mão invisível do mercado. A relação entre a curva de convergência e a curva de divergência da desigualdade esteve relacionada ao montante de gastos sociais que podem ser traduzidos em transferências de renda, gastos previdenciários ou mesmo na oferta de serviços públicos. A convergência registrada nos chamados Trinta Gloriosos, manifestada pela redução na dispersão dos salários, pelas transferências sociais ou mesmo pela ampliação do emprego formal, não ocorreu sem a presença do Estado. Já a curva de divergência, a partir do final dos anos 1980, coincidiu com a progressiva erosão do Estado Social. Não é segredo, nesse período, a obstinação de Margaret Thatcher (1979-1990) e Ronald Reagan (1981-1989) em reduzir o Wefare State. Essa redução se expressa em uma espécie de fórmula mágica para os liberais: menos impostos, menos regulação, mais liberdade, mais crescimento. No entanto, como pode ser verificado em Atkinson (2015), a redução de impostos pela administração da Dama de Ferro resultou em menor gasto social e, consequentemente, aumento da desigualdade e da pobreza. O núcleo da argumentação de Piketty incomoda, uma vez que as experiências históricas, como argumenta o autor, sugerem que uma receita fiscal de aproximadamente 15% da renda nacional não sustenta as funções essenciais do Estado, especialmente saúde e educação. A trajetória dos ajustes fiscais e a perseguição do superávit a partir de reduções de investimentos sociais, portanto, caem por terra.

  • 16 Piketty, 2014, p. 504

26A popularidade e o espanto resultaram da pretensão, utópica na opinião do autor, de regular o capitalismo patrimonial globalizado, o que implica refuncionalizar a social- democracia a partir de modelos fiscais de controle mais eficientes e transparentes em escala global. O capital desterrritorializado e a elite desterritorializada devem ser controlados por intermédio de um imposto progressivo sobre o capital. Piketty adota o exemplo de um possível imposto para patrimônios com valor entre 1 e 5 milhões de euros, com alíquota de 1%, e 2% para patrimônios acima de 5 milhões de euros, o que afetaria apenas 2,5% da população europeia e corresponderia a 2% do PIB europeu. “O principal do imposto sobre o capital não é financiar o Estado social, mas regular o capitalismo” 16, assevera o autor, já que esse imposto não seria capaz de financiar as demandas do Estado Social. Piketty não propõe punir severamente os grandes capitalistas, mas apenas dar-lhes um puxão de orelha – avisá-los daquilo que já sabem. Esse imposto facilitaria o gerenciamento das informações sobre os patrimônios e as fortunas privadas, o que tem incomodado a elite econômica desterritorializada, que aposta suas fichas em sua invisibilidade, uma vez que não há regulação possível em um mundo global. Não há sutilidade alguma nessa proposta que dispensa a sofisticação contábil.

27Piketty inicia e termina o livro com duas mensagens que convergem, de certo modo, para a valorização da economia política:

28Os assuntos econômicos são demasiadamente importantes para serem reduzidos a modelos matemáticos abstratos, o que exige esforço contínuo de comunicação por parte daqueles que produzem conhecimento.

29A análise histórica aponta para cenários de concentração de renda similares aos registrados no início do século XIX, o que poderá resultar em instabilidade para os regimes democráticos.

30O capital no século XXI oferece um retrato parcial, possível, da dinâmica da desigualdade no capitalismo contemporâneo, identificando a formação da riqueza a partir da herança e do trabalho. A formação da riqueza, ou seja, sua origem, sempre configurou tema de atenção na arena política e acadêmica. A meritocracia, associada ao sucesso de indivíduos e empresas, explicou o ufanismo liberal. Mesmo o liberalismo, para lembrar Polanyi (2000), tem um conteúdo utópico, uma vez que a regulação invisível do mercado não se mostrou uma experiência histórica possível. E não poderia ser diferente, já que a famosa curva de Kuznets não se explica sem a intervenção, mesmo que conjuntural, do Estado na economia, seja por meio da dotação de infraestrutura e regulação do emprego, seja pelo financiamento da guerra. Pode-se dizer que Piketty abriu uma parte da tampa da caixa de pandora. Incomodou aqueles que se imaginavam invisíveis, protegidos pela invisibilidade da riqueza e pelo mito de sua origem celibatária.

Conclusão

  • 17 Thomas Piketty, 2014, p. 38

31Causou rebuliço quando, em 2015, Thomas Piketty rejeitou a distinção do governo francês da, quase medieval, Ordem Nacional da Legião de Honra. A recusa de títulos não é rara no universo acadêmico, mas existem mais pessoas dispostas a recebê-los que a recusá-los. Esse episódio rendeu popularidade e demonstrou seu desprendimento em relação às bajulações oficiais. Na introdução do livro, Thomas Piketty 17 tece comentários sobre o oficio de economista:

Ser economista acadêmico na França tem uma grande vantagem: nós não somos tão respeitados nos meios intelectuais e acadêmicos, tampouco pelas elites políticas e financeiras. Isso obriga os economistas a abandonar o desprezo que sentem pelas outras disciplinas e a pretensão absurda a uma legitimidade cientifica superior, ainda que não saibam quase nada sobre alguma coisa.

32Ao que parece, Piketty não precisa mais queixar-se da falta de reconhecimento ou mesmo de trânsito nos meios políticos e acadêmicos. Produto de um tempo em que a produção do conhecimento não passa apenas por crivos acadêmicos, mas também por uma espécie de tribunal simbólico global das redes sociais, sua mensagem é divulgada com elegância e força. É um militante acadêmico e político que não foge da responsabilidade de participar das demandas sociais, mas também não se curva à vigilância ortodoxa. Se existe uma extrema direita e uma extrema esquerda, apostaria que Thomas Piketty é do extremo centro.

  • 18 O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal centraliza informações sobre famílias de (...)
  • 19 O Imposto de Renda incide sobre renda de pessoas físicas e pessoas jurídicas. Para pessoas físicas, (...)
  • 20 Forbes, 2016
  • 21 "Corrupção ativa e passiva contra executivos da Odebrecht e ex-funcionários da Petrobras. Processo (...)

33O jovem economista francês nos ensina muito, mesmo considerando que o Brasil não seja objeto de sua atenção. Do ponto de vista metodológico, a disponibilidade irrestrita dos dados sobre o Imposto de Renda no Brasil (pessoa física e pessoa jurídica) causaria uma pequena revolução nos estudos sobre a desigualdade que ainda são pautados em pesquisas sobre o universo domiciliar autodeclarativo. No Brasil existem instrumentos que permitem a caracterização da pobreza, a exemplo do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, utilizado como referência para a concessão de benefícios do Programa Bolsa Família18. O problema está em caracterizar, com a mesma sistemática e transparência, a riqueza. A disponibilidade de dados do Imposto de Renda permitiria conhecer a dinâmica evolutiva da riqueza herdada em função do patrimônio e da riqueza construída pelo trabalho de uma fração considerável da população brasileira. Em 2015, 27,8 milhões de brasileiros declararam Imposto de Renda da Pessoa Física, o que, considerando as estimativas do IBGE (Brasil, 2016), representou 13,65% da população brasileira 19. Sem esse conjunto de informações, nos limitamos, quase sempre, a terceirizar o conhecimento do grau de riqueza individual/familiar aos populares rankings da Forbes. No ranking dos 31bilionários brasileiros de 2015, os quatro primeiros agrupavam patrimônio de U$ 69,3 bilhões 20. No que toca às fontes, não deixa de ser curioso que a revista informa o setor de cerveja como principal origem do patrimônio de três dos quatro primeiros bilionários da lista. Nossa tropicalidade, associada à alegria do carnaval, deve justificar a centralidade do lucrativo segmento da cerveja. Nesse ranking, entre os primeiros, apenas um jovem de 33 anos. Sobre os demais, na casa dos 60 anos de idade, os textos ressaltam qualidades individuais como o apego ao trabalho e a inteligência, segredos do sucesso. Interessante que um conhecido construtor brasileiro, que durante muito tempo frequentou o ranking dos bilionários da Forbes, esteja preso em regime fechado, sob acusações de corrupção passiva e ativa 21. Parece que a Forbes desconhece o elegante conceito de "simbiose burocrática", cunhado pelo economista americano John Kenneth  Galbraith (1975), para acentuar as relações entre o governo e os grupos privados. Para tristeza dos liberais, a riqueza privada também brota de acordos, nem sempre ortodoxos, entre o capital privado e o Estado.

34Do ponto de vista político, o acesso aos dados permitiria pensar maneiras mais eficientes de financiar e fortalecer o Estado Social. Estudo desenvolvido pelo IPEA, intitulado A década inclusiva: 2001-2011 (Brasil, 2012), explica as razões para a diminuição contemporânea da pobreza no Brasil. É interessante que, entre todos os motivos, identificamos a presença do Estado: redução da inflação, aumento progressivo do salário mínimo, aposentadoria rural, transferências de renda, benefícios de prestação continuada etc. Em um país como o nosso, em que o discurso da meritocracia, pedra angular do liberalismo, é utilizado para desqualificar os programas de transferência de renda e assistência social e, ao mesmo tempo, estigmatizar seus beneficiários, a disponibilidade de informações dessa natureza poderia qualificar o debate econômico e político. Afinal, nem mesmo aqueles liberais que leram O capital no século XXI discordariam que é necessário fazer algo para reverter o quadro atual de pobreza e da desigualdade. O problema é que, para os liberais afortunados, a ação decorreria, em grande medida, pelo viés do filantropismo personalista, uma vez que o combate à desigualdade sempre poderá lhes render popularidade.

35O capital no século XXI é um fenômeno popular no universo acadêmico e político, tanto pelas inúmeras qualidades acadêmicas, quanto pelas determinações do mundo contemporâneo, movido pelas métricas de popularidade, como aquelas do Google. Thomas Piketty obteve 1.240.000 referências, na busca do Google, em 0,27 segundos, total ainda inferior ao de Marx, com 34.200.000 referências em 0,51 segundos. Essa métrica não aproxima Marx do economista francês. Essa distância não pode ser medida sem considerar que os escritos de Marx não se resumem ao universo econômico, mas também à história e à filosofia. Não há métrica ou equação possível para mensurar o impacto político da obra de Marx. Mas o que agrada é que Thomas Piketty, como o jovem Harry Potter, terá tempo para apurar suas habilidades e, consequentemente, aumentar sua popularidade. Aliás, o livro pode ser baixado na internet, gratuitamente, em vários formatos. Thomas Pikettty não conhece o irreverente Zeca Baleiro, que diria, diante de seu inexorável sucesso: “O fato é que eu tô na moda. Mamãe eu fiz um ‘livro’ foda. Faz um download e ‘leia’ aí”.

Topo da página

Bibliografia

ATKINSON, Antohny. Desigualdade: o que pode ser feito? Trad. Elisa Câmara. São Paulo: LeYa, 2015.

BALEIRO, Zeca. Mamãe no Face. Disponível em: <https://www.vagalume.com.br/zeca-balero/mamae-no-face.html>. Acesso em: 22 jul. 2016.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. 2. reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativa da população: 2015. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2015/estimativa_tcu.shtm>. Acesso em: 23 jul. 2016.

CALVINO, Ítalo. Por que ler os clássicos. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.

FORBES. Maiores bilionários brasileiros. Disponível em: <http://www.forbes.com.br/listas/2016/03/31-maiores-bilionarios-brasileiros/#foto1>. Acesso em: 22 jul. 2016.

GALBRAITH, John Kenneth. A economia e o objetivo público. São Paulo: Martins, 1975.

GOOGLE. Lista de mais vendidos de não ficção. 2015. Disponível em: < http://www.publishnews.com.br/ranking/anual/13/2015/0/0>. Acesso em: 22 jul. 2016.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A indústria cultural: o iluminismo como mistificação de massas. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2002. p. 169-214.

HARVEY, David. Para entender o capital. Livro 1. São Paulo: Boitempo, 2013.

HARVEY, David. Paris, capital da modernidade. São Paulo: Boitempo, 2015.

IPEA. A década inclusiva. Comunicados do IPEA, Brasília, n. 155, 2012.

MARX, Karl. O capital. Crítica da economia política. Livro 1, v. 1. 17. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Livro 1, v. 2. 29. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

MDS – Ministério do Desenvolvimento Social. Data-Social. 2016. Disponível em: <http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi-data/METRO/metro.php?p_id=4>. Acesso em: 22 jul. 2016.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Corrupção ativa e passiva contra executivos da Odebrecht e ex-funcionários da Petrobras. Processo 5051379-67.2015.4.04.7000, chave eletrônica 825876223315. Disponível em: <http://lavajato.mpf.mp.br/atuacao-na-1a-instancia/denuncias-do-mpf>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PIKETTY, Thomas. O capital no século XXI. Tradução de Monica Baumgarten de Bolle. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

PIKETTY, Thomas. Anexo Técnico de O capital no século XXI. Disponível em: <http://www.intrinseca.com.br/ocapital/anexo-tecnico.html>. Acesso em: 25 jul. 2016.

PNUD-Brasil. Disponível em: <http://www.pnud.org.br/ODM.aspx>. Acesso em: 20 jul. 2016

POLANYI, Karl. A grande transformação: as origens de nossa época. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

RECEITA FEDERAL DO BRASIL. Disponível em: <http://idg.receita.fazenda.gov.br/acesso-rapido/tributos/irpf-imposto-de-renda-pessoa-fisica>. Acesso em: 22 jul. 2016.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

Topo da página

Nota de fim

1 Google, 2016

2 Não há muitas semelhanças, nem mesmo em termos volumétricos, além do substantivo masculino, entre O capital no século XXI, de Thomas Piketty, e O capital, de Karl Marx. O capital é dividido em três livros com, a depender da edição, seis volumes. Marx investigou a natureza do capital, seu processo histórico de produção e reprodução, centrando energias em conceitos como mercadoria, mais-valia, divisão do trabalho, acumulação primitiva, além da categoria trabalho, central em sua obra. As fontes utilizadas por Marx (relatórios governamentais, legislação trabalhista, dados primários e secundários, literatura social e econômica, textos jornalísticos, vivência política com os operários etc.) e sua escala de análise (Inglaterra, França, Estados Unidos, Índia, Holanda, Rússia, Alemanha, Egito etc.) dão ideia da amplitude de sua obra. No prefácio da segunda edição, Marx (1999, p. 25) cita que a tradução russa de 3.000 exemplares, publicada em 1872, estava quase esgotada. A circularidade das obras de Marx no século XIX, considerando os meios técnicos de distribuição do período, é impressionante. Por fim, é oportuno lembrar que a comparação com Marx não nasceu da vontade de Piketty, que não se declara marxista. Isso, no entanto, não o impediu de se referir a Marx com respeito, o que é próprio dos grandes intelectuais. Só para constar. Recentemente, a imprensa noticiou, com espanto, que a primeira edição de O Capital foi leiloada, em Londres, por mais de um milhão de dólares. Marx continua pop.

3 Não há duvidas de que Thomas Piketty tornou-se uma espécie de grife editorial. Na capa do livro Desigualdade: o que pode ser feito?, de Anthony Atkinson (2015), está escrito, em letras garrafais, no interior de um retângulo: "Do professor de Thomas Piketty". O livro do economista inglês, aliás, não perde em nada para O capital no século XXI.

4 Calvino, 1993, p. 9

5 Um exemplo pessoal ilustra esse raciocínio. O capital no século XXI foi lançado no Brasil em 2014. Sempre me saltou aos olhos o destaque do livro nas prateleiras centrais das livrarias. Em janeiro de 2015 fui presenteado com um exemplar, que ficou acomodado na estante até junho de 2016, quando, diante do interesse pelo tema da desigualdade, resolvi enfrentar o extenso volume. Perguntei a alguns colegas da universidade se já haviam lido o livro. Em muitos casos, a resposta foi a mesma: “o tenho, mas ainda não li”.

6 São oito os “Objetivos do Milênio”, estabelecidos no ano de 2000, para um intervalo de quinze anos: “1. Redução da pobreza; 2. Atingir o ensino básico universal; 3. Igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres; 4. Reduzir a mortalidade na infância; 5. Melhorar a saúde materna; 6. Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças; 7. Garantir a sustentabilidade ambiental e 8. Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento” (PNUD-Brasil, 2016).

7 Piketty disponibilizou os dados do livro em formato digital para acesso público e gratuito, em arquivo denominado Anexo Técnico, encontrado em http://www.intrinseca.com.br/ocapital/anexo-tecnico.html. É preciso registrar que essa postura não é comum nas pesquisas acadêmicas.

8 Piketty, 2014, p. 51-52

9 Piketty 2014, p. 46

10 Em Marx (1999), o capital é considerado um processo, uma relação social historicamente localizada. Circulação e produção de valores, além da relação entre capital constante e capital variável, no tocante aos conflitos de propriedade, são determinantes em sua análise. Sobre essa perspectiva de análise, refere Harvey (2013, p. 93): "Ela marca um distanciamento radical em relação à definição que encontraremos na economia política clássica, em que o capital era tradicionalmente entendido como um estoque de recursos (máquinas, dinheiro etc.), assim como em relação predominante na ciência econômica convencional, na qual o capital é visto como uma coisa, um fator de produção".

11 Piketty, 2014, p. 31

12 Piketty, 2014, p. 32

13 Piketty, 2014, p. 24

14 A utilização de Honoré de Balzac como referência para o século XIX é comum em muitos autores contemporâneos, bastando para isso recordar os brilhantes livros de Marshall Berman (1986) e David Harvey (2014). Marx (2015, p. 695), com sua erudição habitual, recorre ao exemplo Gobsek, em romance homônimo, para ilustrar os entraves na expansão do capital: "Balzac, que analisou tão profundamente todos os matizes da avareza, criou a figura de Gobseck, o velho avarento que, na sua demência, começa a formar um tesouro acumulando mercadorias".

15 Piketty 2014, p. 409

16 Piketty, 2014, p. 504

17 Thomas Piketty, 2014, p. 38

18 O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal centraliza informações sobre famílias de baixa renda, fragmentadas em renda per capita familiar de até R$ 77,00, entre R$ 77,00 e R$ 154,00, entre R$ 154,00 e meio salário mínimo e acima de meio salário mínimo. Em 2016 havia 26.942.986 famílias inscritas no Cadastro Único. Informações sobre esse universo da população pode ser acessado no Data-Social (MDS, 2016).

19 O Imposto de Renda incide sobre renda de pessoas físicas e pessoas jurídicas. Para pessoas físicas, as alíquotas são progressivas, partindo de 7,5% para rendimentos, em 2016, entre R$ 1.903,99 e R$ 2.826,05, até 27,5% para rendimentos acima de R$ 4.664,68 mensais. Para Pessoas Jurídicas, as alíquotas guardam relação com o lucro apurado nas empresas (Receita Federal do Brasil, 2016).

20 Forbes, 2016

21 "Corrupção ativa e passiva contra executivos da Odebrecht e ex-funcionários da Petrobras. Processo 5051379-67.2015.4.04.7000, chave eletrônica 825876223315.
Síntese: Em 16 de outubro de 2015, o Ministério Público Federal no Paraná ofereceu denúncia contra executivos do Grupo Odebrecht e ex-funcionários do alto escalão da Petrobras. Os executivos Marcelo Bahia Odebrecht, Marcio Faria da Silva, Rogério Araújo e Cesar Rocha foram acusados pela prática de corrupção ativa de Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco e Renato Duque, no interesse da obtenção de vantagens para a Construtora Norberto Odebrecht em razão de oito contratos por ela firmados com a Petrobras. Renato Duque e Pedro Barusco, de outro lado, foram acusados pela prática do crime de corrupção passiva. Foram 64 crimes praticados de 09/12/2004 a 03/08/2011, envolvendo propinas que chegaram a R$ 137 milhões" (Ministério Público Federal, 2016).

Topo da página

Índice das ilustrações

Título Figura 1 - A desigualdade de renda nos Estados Unidos, 1910-2010
Créditos A participação do décimo superior na renda nacional americana passou de 45-50% nos anos 1910-1920 para menos de 35% nos anos 1950 (trata-se da queda documentada por Kuznets); depois voltou a subir menos de 35% nos anos 1970 para 45-50% nos anos 200-2010.
URL http://espacoeconomia.revues.org/docannexe/image/2377/img-1.png
Ficheiros image/png, 26k
Título Figura 2 - A relação capital-renda na Europa, 1870-2010
Créditos O total da riqueza privada se situa entre seis e sete anos da renda nacional na Europa em 1910, entre dois e três anos em 1950 e entre quatro e seis anos em 2010.
URL http://espacoeconomia.revues.org/docannexe/image/2377/img-2.png
Ficheiros image/png, 41k
Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Tadeu Alencar Arrais, « O Papa é pop. O Bono é pop. Piketty também! Determinações do sucesso editorial de O capital no século XXI », Espaço e Economia [Online], 9 | 2016, posto online no dia 31 Dezembro 2016, consultado o 20 Agosto 2017. URL : http://espacoeconomia.revues.org/2377 ; DOI : 10.4000/espacoeconomia.2377

Topo da página

Autor

Tadeu Alencar Arrais

Professor Associado IESA/UFG. Email: tadeuarraisufg@gmail.com. Pesquisador do CNPq, Nível 1D

Topo da página

Direitos de autor

© NuPEE

Topo da página
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • Logo Latindex
  • Les cahiers de Revues.org