Navegação – Mapa do site

Produção e reprodução: uma leitura contemporânea

Production and reproduction: a contemporary view
Production et reproduction: une lecture contemporaine
Producciòn y reproducciòn: una lectura contemporánea
Marcio Rufino Silva

Resumos

Eis a tradução de um trecho do livro “O retorno da dialética: doze palavras-chave para o mundo moderno”, assinado pelo filósofo francês Henri Lefebvre no ano de 1986. Separamos o debate referente ao termo “produção e reprodução”, pois, para além de uma simples produção de “coisas”, a concepção lefebvriana de “reprodução das relações sociais de produção” certamente tem muito a dizer sobre a contemporânea ficcionalização da economia.

Topo da página

Texto integral

1Apresentamos, nesta edição de Espaço e Economia: Revista Brasileira de Geografia Econômica, a tradução do trecho de uma obra pouco conhecida do filósofo/sociólogo francês Henri Lefebvre, intitulada “O retorno da dialética: 12 palavras-chave para o mundo moderno”. Essa obra, conforme anuncia o próprio título, é composta de doze “capítulos”, cada qual com uma “palavra” ou, permitindo-nos a extrapolação, um “conceito”-chave.

2Trata-se de um dos últimos textos da vasta obra de Henri Lefebvre, publicada inicialmente pela Éditions Sociales/Messidor, em 1986. Naquela altura, o pensador francês, no esteio de seus 85 anos de vida, permitia-se compor uma síntese de determinados problemas ou formas de compreensão da realidade do final do século XX, pondo sempre em relevo as discussões aventadas no decorrer daquele século.

3É bem conhecida a profunda relação que o autor detém com a obra e o pensamento de Karl Marx. Desse modo, a indissociabilidade entre a vida e a obra do pensador revolucionário alemão inspira e se apresenta nos escritos lefebvrianos, do início ao final de sua vida. Assim, Lefebvre escreve que o seu “escrito descontínuo” pretendia-se “um livro-ação, um guia no confuso labirinto mundial” (1986, p. 11). Do ponto de vista da concepção e do método, uma totalidade aberta apresenta-se como condição inerente à investigação e à exposição: “cada ‘artigo’ almeja oferecer um ingresso em um conjunto a compor com seus fragmentos, em uma perspectiva e uma concepção que se não se concluem, que não se acabam” (1986, p. 11).

4É nesse contexto no qual oferecemos a tradução a seguir, intitulada “Produção e reprodução”. Neste texto, o caminho percorrido pelo autor vai da linguagem e da filosofia (quando “elevam-se à consciência” determinados dados da realidade) ao sentido prático implicado à temática da produção. O sentido da produção, aqui entendido, não se restringe absolutamente ao universo do “econômico”, ou ainda, de modo mais restrito, à produção agrícola ou industrial. Não se tratam de “coisas” palpáveis, pretensamente “materiais”, dotadas de uma realidade vivida e percebida no âmbito da física. O que se propõe é a negatividade implicada à forma física: o universo amplificado da produção, bem como a sua inerente historicidade. Em um amplo sentido, igualmente.

5No campo dos significantes e significados, pelo menos desde Marx, produzir não é somente produzir bens materiais, conforme a acepção indicada acima. No texto a seguir, Lefebvre indica, por exemplo, a produção de signos, de imagens, tão caras ao modus operandi do modo capitalista de produção em sua face novecentista.

6Enfim, cumpre lembrar que faz trinta anos da publicação original desse texto, e que em 2016 completa-se 25 anos do desaparecimento do admirável pensador francês, que nos legou essa importante contribuição. Trata-se de um convite à reflexão, ao mesmo tempo em que se põe a urgência de nossos tempos.

7Apresentamos uma hipótese: os últimos trinta ou quarenta anos perfazem um momento único, que certamente mereceriam uma compreensão mais acurada. O capitalismo de cassino se desenvolveu e se aprofundou, arrastando consigo o destino da humanidade. A financeirização da economia se transfigura cada vez mais em uma “respiração por aparelhos” de um modo de produção (ou seria uma sociabilidade, derivando o raciocínio?) em pleno processo de decomposição. A economia tornada fictícia é o anteparo necessário a essa velha nova ordem mundial aventada por essa contínua reprodução das relações sociais de produção.

8As fronteiras entre o econômico e político, que, em nossa leitura, em momento algum foram absolutas, mostram-se cada vez mais tênues nos tempos que correm. A “democracia”, esse eterno mal-entendido moderno, recai às cadeias de equivalência (uma mercadoria dentre tantas outras) e se mostra uma potência, um operatório necessário à sobrevivência do capital. Mas esse é assunto para outra oportunidade.

9O convite está feito e certamente a obra de Henri Lefebvre tem muito a nos dizer a respeito do momento em que vivemos. E nos aponta um devir: o possível-impossível. Com a palavra, o filósofo francês.

Topo da página

Para citar este artigo

Referência eletrónica

Marcio Rufino Silva, « Produção e reprodução: uma leitura contemporânea », Espaço e Economia [Online], 8 | 2016, posto online no dia 30 Setembro 2016, consultado o 25 Maio 2017. URL : http://espacoeconomia.revues.org/2168 ; DOI : 10.4000/espacoeconomia.2168

Topo da página

Autor

Marcio Rufino Silva

Mestre e Doutor em Geografia Humana pela Universidade de São Paulo. Professor Adjunto do Curso de Geografia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Coordenador do grupo de pesquisa Para uma crítica da Economia Política do Espaço (UFRRJ) e pesquisador do grupo Geografia urbana: a vida cotidiana e o urbano (USP). Email: marciorufis@ufrrj.br

Topo da página

Direitos de autor

© NuPEE

Topo da página
  • Logo Núcleo de Pesquisa Espaço e Economia
  • Logo Latindex
  • Les cahiers de Revues.org